segunda-feira, 14 de julho de 2014

A incrível história de Penha Maria, a sapoti do Nordeste

Ela foi a maior cantora do Norte e Nordeste do Brasil, de todos os tempos. Brilhou no Rio, em shows do rei da noite, Carlos Machado, foi aplaudida e elogiada pela imprensa em mais de 10 países da antiga cortina de ferro, representando a Varig. 

Trabalhou com Abelardo Figueiredo, no Beco e nas melhores casas noturnas de São Paulo, até que resolveu parar, em 1972, para cuidar da família. Agora, 42 anos depois, eu a encontrei, pobre e doente, mas completamente lúcida, em um lar para idosos, na periferia da capital paulista. Simpática e muito educada, ela quer dar a volta por cima e voltar a cantar. 

Eu a procurei, incansavelmente, durante mais de 10 anos. Cheguei a publicar anúncio em jornais. Encontrei pessoas cruéis, mentirosas e ambiciosas, que me prestaram todo o tipo de informações falsas, com o único intuito de me explorarem.
Agora a própria Penha revela toda a verdade.

Nascida em 22 de dezembro de 1939, em João Pessoa, Paraíba, com o nome de Maria da Penha Soares, desde cedo seus pais, Antônio e Hercília, lhe deram uma educação religiosa, tendo ela começado a cantar na igreja aos 10 anos.
Com 18 anos, depois de ganhar um concurso de calouros, estreou profissionalmente na Radio Tabajara, a melhor da capital paraibana, e aí começou a sua trajetória de sucesso.
Dois anos depois, em 1959, o grande maestro Giuseppe Mastroianni a descobriu e levou-a para a Rádio Jornal do Comércio de Recife. No ano seguinte, ela inaugurou a TV Jornal do Comércio, onde sua voz, maravilhosa, aliada a sua beleza e elegância, deslumbrava os espectadores, participando dos famosos programas da época, Você Faz o Show, de seu grande amigo Fernando Castelão, Noite de Black-Tie e Bossa 2, de Nair Silva.
Durante cinco anos, foi eleita a melhor cantora de Recife, sendo conhecida como “a sapoti do nordeste”.
Sua música Amor de marinheiro foi a mais tocada no carnaval de 1964 e outro grande Êxito gravado por ela foi Pepe, em 1962.
Penha era convidada para cantar para as grandes personalidades da época que passavam por Recife, como o governador de São Paulo Ademar de Barros e o presidente Juscelino Kubitchek, e cantou ao lado de grandes ídolos, como Cauby Peixoto e Angela Maria.
Em maio de 1965, depois de brigar com seu namorado, o cantor Nel Blue, se despede de Recife e vai para o Rio, onde primeiramente estreia na casa de Cauby, a famosa Boite Drink, sendo, em seguida, contratada com exclusividade para o Le Candelabre e Cave du Roi, do empresário italiano Fabricio Napolitano, que foi seu namorado. 
A imprensa da época fazia rasgados elogios a sua voz e o “rei da noite” Carlos Machado, a contratou como estrela de seu show O teu cabelo não nega, na Boite Fred’s, frequentada pela alta sociedade carioca. Lá numa noite, os diretores da Varig, fascinados por seu charme, beleza e voz, a contrataram para uma longa tournée pelos antigos países da cortina de ferro, para lançar o novo jato da empresa o Boing 707. E assim ela atuou na TV, no teatro e nos cassinos de Frankfurt, Berlim, Zurich, Genebra, Belgrado, Zagreb, Sofia, Estocolmo, Moscou, Leningrado e Praga, na Polônia e na Iugoslávia. Foi pedida em casamento pelo príncipe Igor Karanski, pelo conde Guglielmo Donatelli, pelo barão Marko Sokoloff e pelo marquês Kurt Von Badden, mas não quis ficar com ninguém.
De volta ao Brasil, inaugurou o Canecão, no Rio, em 1968, e veio para São Paulo, onde foi atração das melhores casas da época, como o Beco, de Abelardo Figueiredo, Jogral, Balacobaco, La Fontaine, Variety e outras.
Participou dos programas da TV Tupy Almoço com as estrelas e Clube dos artistas de Lolita e Airton Rodrigues.
Em 1966, havia participado do Festival da Canção, na TV Excelcior, com música do maestro e cantor Adilson Godoy.
Em 1970, conheceu o músico João Rodrigues, casando-se com ele pouco tempo depois, e, em 1972, anuncia a despedida da carreira artística, na famosa casa noturna A fina flor do samba, ao saber que estava grávida de três meses, para cuidar da família.
Com o dinheiro que ganhou na Europa, comprou um apartamento e depois o vendeu, para comprar um espaçoso sobrado em Guarulhos. Lamentavelmente, seu filho morreu aos 18 anos, de bronquite asmática, e João, apesar de ser um bom marido e pai, nunca pagou os IPTUs e demais impostos da casa e perdeu-a, em finais dos anos 90.
Vieram morar em um apartamento alugado no centro, até que ele decidiu, em 2006, voltar para João Pessoa, para administrar propriedade da família – Penha não o acompanhou porque sua filha Luciana estava trabalhando e preferiu ficar.
Foram morar com uma irmã de Penha, em Sapopemba, bairro da periferia. A tia, desde o começo, desentendeu-se com a sobrinha, fazendo com que ela fosse embora e Penha perdeu o contato com a filha, que nunca mais viu.
Pouco tempo depois, uma queda no banheiro deixou Penha paralítica. O dinheiro da aposentadoria ia quebrando o galho, até que a irmã, não podendo cuidar mais dela, colocou-a em um lar para idosos.
Na terça-feira de carnaval, recebo um telefonema dizendo que era Kelly a sobrinha de Penha, que tinha visto o anúncio que coloquei no site de meu amigo Ovadia Saadia, há mais de dois anos, procurando notícias de sua outrora famosa tia. Dizia-me que Penha estava viva, mas doente, vivendo em um lar para idosos, muito modesto, e usando cadeira de rodas.
Saí voando para me encontrar com Kelly, que me levou até lá.
Quando vi Penha, não acreditei. Chorei de emoção e do choque, por vê-la tão mudada, tão maltratada pelo tempo, que foi cruel e injusto com ela. Mas ela estava lúcida, completamente lúcida, simpática, humana e com esperanças de dar a volta por cima, agora que me tinha encontrado.
Estou cuidando dela, com carinho, amor, respeito e dedicação.
Algumas pessoas têm me ajudado, como o presidente do Sindicato dos Músicos, Alexandre Tajes, que colocou carro à minha disposição; César, diretor da Ordem dos Músicos; o ator André Gaetta; o advogado Paulo Vidigal; o dentista Dr. Edson; o novo amigo Germano Barbosa, de João Pessoa, que editou e colocou várias músicas da Penha no Youtube; o escritor Jorge José Barros de Santana, de Recife, e, acima de todos, Deus, em sua infinita misericórdia e bondade, a Quem só peço força e saúde para continuar a minha missão de resgatar a autoestima e a dignidade de uma grande cantora, uma grande estrela do passado, que encantou com sua voz, toda uma geração de brasileiros, e cujo brilho ainda não se apagou.

Jaime Palhinha
O jornalista Jaime Palhinha é considerado um dos mais profundos conhecedores da cultura brasileira.
Em 1981, aos 29 anos, estreou profissionalmente na imprensa escrita. Morou 13 anos na Europa (Portugal), escrevendo para o jornal Chaminé do Algarve. Também era correspondente da revista especializada em Westerns Mocinhos e Bandidos. No Brasil, escreveu para a revista Cine monstro. Desde 2007, é o principal articulista da seção Por onde anda, da revista Flash News, que resgata ícones da cultura brasileira que estão fora da mídia, e também a coluna Lendas de Hollywood. Jaime escreve, também, para a revista Raça Brasil, a coluna Ícones.
A especialidade de Jaime Palhinha é a nostalgia e muitos o consideram o único jornalista do país especialista no assunto. “O passado nunca esteve tão na moda como hoje” – costuma dizer, lembrando que “quem renega o passado não merece o futuro, e quem não tem passado não tem história”.
Jaime Palhinha escreve, atualmente, para o Jornal Sertanejo, as colunas Talentos Eternos e Perfil.

8 comentários:

  1. Parabéns Palhinha,pelo belo trabalho e para Penha pela grande cantora
    que é.

    ResponderExcluir
  2. Só para esclarecer. Trabalho na casa de repouso e tenho contato com ela, pois sou auxiliar de enfermagem. Não vejo ninguém ir lá cuidar dela, nem todo esse apoio que li. Tomara que seja de outra pessoa esta reportagem . Mas já pesquisei e é ela mesmo. Não estavam cuidando dela? Pq está na casa de repouso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Depois da matéria, Daniela, houve um lamentável incidente entre os dois.
      Jaime realmente ajudou, ajudou muito.

      Excluir
  3. Conheci a Penha no lar para idosos fiquei encantada com a sua voz e muito comovida com a sua história

    ResponderExcluir
  4. Germano, Penha Maria foi uma das integrantes do Trio Jaçanã, criado nos anos 1950 por Zé Pequeno. Era ela, Zé e Walter Lins. Depois Penha foi embora para Recife. E o Trio Jaçanã contratou Marlene Freire. Isto me foi relatado por Zé Pequeno e Walter Lins no livro Tabajara a Rádio da Paraíba.

    ResponderExcluir
  5. Ela está no lar Amigos da vida em Sete Barras SP

    ResponderExcluir
  6. No ano que se comemora o centenário de Jackson do Pandeiro um grande valor da MPB, podia-se também reverenciar também Penha Maria ainda em vida, esquecida por muitos de João Pessoa, sua terra natal.

    ResponderExcluir